domingo, 21 de janeiro de 2018

FILADÉLFIA (1993)

O olhar caído

FILADÉLFIA (Philadelphia / 1993) - Filadélfia foi o filme certo no momento certo, dirigido pelo cara certo e atuado pelos atores certos para o momento. Tudo se encaixa aqui. O filme também tem um papel crucial na história do cinema por ser o primeiro a discutir abertamente sobre aids, ao se basear na história real dos advogados Geoffrey Bowers e Clarence Cain.


Bowers

A cidade da Filadélfia serve de pano de fundo para a história de Andrew (Tom Hanks), um jovem e promissor advogado de uma grande empresa que apresenta um vigor e uma gana profissional muito únicos. Ele ganha respeito na empresa, fica com a moral elevada junto aos chefes, pouco antes de começar a apresentar feridas pelo corpo.

A batalha nos tribunais
Tempos depois ele aparece na sala do também advogado Joe (Denzel Washington) pedindo ajuda. Andrew está magro e abatido. Se diz portador de HIV. Como reflexo, Joe se afasta e começa a reparar nas coisas que Andrew toca em seu escritório, enquanto conta a sua história. Ele não gosta, se incomoda mas não diz. Andrew procura um advogado para processar a empresa onde trabalhava - ele foi demitido após os seus chefes descobrirem a doença. Por fim, Joe aceita o trabalho.

Antonio Banderas interpreta o namorado de Hanks

Daí em diante o filme se desenrola em grandes sequências de tribunal com protestos, objeções, testemunhas e júri. Enquanto isso Andrew definha e não assiste ao final do seu próprio julgamento. Acaba recolhido a uma unidade hospitalar e fica sabendo do resultado depois.

De cama, sem forças

Mérito grande do diretor Jonathan Demme - o mesmo de O Silêncio dos Inocentes - que soube dar a Filadélfia uma cara muito própria. Em boa parte das cenas, principalmente as com trocas de diálogos intensos, os atores são posicionados de forma a parecer que estão olhando diretamente pra lente da câmera. Não chega a ser a quebra da quarta parede, mas deixa a gente incomodado e emocionado ao mesmo tempo.

Demme e Hanks

Tom Hanks levou aqui o primeiro dos seus dois Oscars, o segundo seria por Forrest Gump. O seu discurso no momento em que recebeu o Oscar é apontado como um dos mais bonitos já feitos na história da premiação. E mais, inspirou a história da comédia Será Que Ele É? com Kevin Kline. Assista.



A canção Streets of Philadelphia de Bruce Springsteen levou também o Oscar de canção original. Veja abaixo o trailer de Filadélfia.



quarta-feira, 17 de janeiro de 2018

DEMOLIÇÃO (2015)

À toa

DEMOLIÇÃO (Demolition / 2015) - Poderia ser mais. Muito mais. E olha que prometia, principalmente pelo elenco estrelado. Jake Gyllenhaall e Naomi Watts, embora sejam reconhecidamente atores de talento, acumulam altos e baixos nas carreiras. O diretor francês Jean-Marc Vallée não é exatamente um grande nome, mas já fez filmes que causaram um certo barulho como LivreClube de Compras Dallas. Mas desta vez Vallée, também não acertou a mão.

Vallée e Gyllenhaal

Davis (Gyllenhaal) e a esposa Julia (Heather Lind) estão conversando amenidades no carro quando sofrem um acidente grave. A esposa morre. A partir da tragédia, que acontece nos primeiros minutos de filme, Davis se desliga de tudo e todos. Se desconecta. Para muitos, uma reação normal de choque perante à gravidade da situação. Mas não é bem isso.

Aéreo, desconectado

Phil (Chris Cooper), pai da Julia e chefe de Davis, se aproxima ainda mais do rapaz tentando superar o próprio luto e dar um pouco de apoio ao agora viúvo. Os dias passam e Davis não sai do estado de choque, ele continua tratando tudo e a todos com o máximo de indiferença. Não consegue chorar pela ausência da esposa. Até tenta, mas não consegue.

Sogro e genro 

Ainda no hospital ele tenta comprar um pacote de MM´s naquelas máquinas de doces sem sucesso. Ele fica preso. Esse ato banal muda o destino dos personagens. Davis manda uma carta para a empresa responsável pela máquina, para reclamar do acontecido. Mas ele não fica só nisso e acaba contando toda a história da perda da vida da esposa. Acaba trocando correspondências com a moça da empresa que se compadece - Karen (Watts).

Amigos parceiros

Karen é uma moça perdida na vida. Passa os dias fumando maconha, mesmo ao lado do filho Chris, um jovem problemático que fala palavrões o tempo todo e parece ter problemas em se encaixar na escola.

Ao lado de Chris, um sentido, mínino que seja

Davis acaba afastado do trabalho, da família e de todo o resto. Ele apenas se aproxima de Karen e Chris, mas sempre da mesma forma - com indiferença. A saída que Davis encontra - e daí vem o título do filme - é destruir coisas. Simples assim. Ele desmonta aparelhos domésticos e outros itens da casa. Inclusive a própria casa, usando marretas, serras e até uma escavadeira que ele compra no ebay.

Quebrando tudo

Não tem muito o que contar a partir daí. E mesmo se eu revelasse spoilers não faria diferença, porque tudo é muito fraco. A óbvia sequência seria uma aproximação amorosa entre Karen e Davis, mas não acontece de forma clara. Ou então de repente acordar do luto, mas também não. E fica nisso.

Um homem da deconstrução

Demolição é um filme que apresenta personagens e um plot principal, mas não caminha, não desenvolve nem resolve as subtramas. E acaba assim. Não dá nem para dizer que as atuações salvam o filme, porque Gyllenhaall atua aqui sem esforço - mesmo porque o personagem não exige muito - e Watts se acomoda em uma personagem rasa também.

O que esperar?

Parecia e prometia tanto. No final tanta indiferença do personagem de Gyllenhaall contamina a quem assiste. Ele gera indiferença, fica na promessa e acaba sem se resolver. O gosto que fica é amargo, tudo não passou de uma grande perda de tempo.
Veja abaixo o trailer de Demolição

 

sexta-feira, 12 de janeiro de 2018

A LENDA (1985)

O diabo, senhor das trevas

A LENDA (Legend / 1985) - Daqueles filmes que marcam a infância mas que não ficam na cabeça, pelo menos para mim. Reassistir A Lenda foi uma viagem de volta aquele "lembro disso" em algumas cenas. Mas quando o filme saiu eu tinha meros 4 anos e depois quando passava na Sessão da Tarde eu deveria ter por volta de 7, 8. E o filme de alguma forma não ficou comigo, assim como outros da mesma época ficaram, como Goonies por exemplo.

Lili e Jack

Ridley Scott já tinha dirigido Alien e Blade Runner quando assumiu a direção de A Lenda, um filme de fantasia em um mundo de unicórnios, elfos, fadas, duendes e o próprio demônio em si. Tom Cruise interpreta Jack, o herói apaixonado por Lili (Mia Sara, a namorada de Ferris Bueller em Curtindo a Vida Adoidado).

Mia Sara

Juntos, passeiam pela floresta e acabam um dia observando dois unicórnios, o ser mitológico que dá balanço à floresta e à existência. Quando Lili toca no unicórnio - algo que não deveria fazer - o animado é alvejado por um dardo distante e ele acaba ficando debilitado.

Unicórnio, o animal mágico da floresta

O dardo foi lançado por um goblin à mando do demônio (Tim Curry) que quer à todo custo impedir que o sol nasça novamente e com isso ter o domínio sobre todo o lugar. O unicórnio atingido perde o seu chifre, ítem mágico que pode reparar o mal que foi feito. A partir do momento que o chifre é cortado do animal a neve e a escuridão tomam conta da floresta.

Criaturas fantásticas

Arrependida, Lili parte em sua jornada para tentar reparar o mal que fez. Jack, se junta a um grupo de duendes comandado por um elfo baixinho e nervoso, para recuperar o chifre do unicórnio, salvar Lili e derrotar o demônio.

O elfo

A Lenda é uma viagem do começo ao fim, fantástica, mas que não teve um grande sucesso comercial e custou bem mais do que arrecadou. Mas marcou de alguma forma a infância de muita gente, principalmente a demoníaca figura de Tim Curry, com uma maquiagem impecável, uma voz cavernosa e dois enormes chifres pretos.

O processo de maquiagem de Tim Curry

Mas envelheceu mal. Vendo hoje não cumpre mais o papel que cumpriu, é datado e exagerado. Assim como História Sem Fim, lançado um ano antes em 1984. Esse sim se pegou mais ao mundo infantil e acabou rendendo duas sequências. Já Scott preferiu para A Lenda algo mais elaborado, com algumas questões mais sérias. Uma fantasia com um tom bem mais sombrio.    

A casa do diabo

Veja abaixo o trailer de A Lenda.


terça-feira, 9 de janeiro de 2018

RELATOS SELVAGENS (2014)

Crônicas do cotidiano

RELATOS SELVAGENS (Relatos Salvajes / 2014) - Não sei se foi a expectativa altíssima ou o formato episódico que nunca me agradou ou aquela maldita opinião de que "cinema argentino é sempre bom" e a óbvia sequência "...muito melhor que o cinema brasileiro". Pode ter sido uma junção de tudo isso, na verdade. O que eu sei é que Relatos Selvagens não me agradou tanto assim.

Os personagens de cada história

O filme ficou em cartaz em São Paulo até três anos depois do lançamento, tamanho o sucesso no melhor estilo boca a boca, que fez. Relatos Selvagens trata basicamente de pessoas que chegam ao seu limite - tipo Um Dia de Fúria - e buscam vingança. É um prólogo e mais cinco pequenas histórias.

O diretor Daminán Szifron em ação

"Pasternak" é o prólogo. Gabriel Pasternak não aparece mas é o protagonista desta história. Ele consegue colocar num mesmo avião pessoas que de certa forma lesaram a vida dele. Uma aeromoça desesperada conta que a cabine está trancada e que Pasternak está no comando do avião em plena queda.
Confusão à bordo

"Las Ratas" se passa em um restaurante de estrada. Ali entra um homem que é recebido pela garçonete, que volta assustada para a cozinha. Ela descobre que aquele homem foi o causador do suicídio do seu pai, além de ter dado em cima da mãe. Outra cozinheira tem uma ideia - colocar veneno de rato na comida do homem. Destaque para a boa sacada quando elas descobrem que o veneno está vencido. "Será que isso faria ainda mais mal a ele?"

Um encontro inesperado

"El Más Fuerte" mostra um cara com sua BMW por uma estrada tentando ultrapassar uma caminhonete caindo aos pedaços, sem sucesso. O cara bloqueia a ultrapassagem de propósito. Quando passa, o cara da BMW xinga o outro. Mais à frente - o óbvio - um pneu furado. E os dois se reencontram. Campo aberto para uma batalha dura, desigual, com tom escatológico, e um final inesperado.

Perseguição na auto estrada

"Bombita" é protagonizado por Ricardo Darín. Ele tem o veículo guinchado depois de estacionar em um local proibido. Começa uma batalha pela seus direitos no departamento de trânsito, já que ele tem certeza que o local não estava sinalizado. Mas mesmo assim tem que pagar multa, guincho, mais o estacionamento da prefeitura. Ele perde a festa de aniversário da filha, acaba se divorciando, é demitido e por fim... arruma um jeito de se vingar do sistema.

Um homem à beira de um ataque de nervos

"La Propuesta" é o melhor curta do filme. Um jovem filho único de uma família rica, atropela e mata uma mulher grávida e foge sem prestar socorro. O pai oferece uma grana alta pro jardineiro da família assumir a autoria. Os advogados pedem mais dinheiro para poder comprar os juízes que vão julgar o caso. De repente o pai desiste de tudo e um dos advogados, na iminência de perder uma fortuna, fala ao pai "por favor, seja razoável".

Vale tudo para salvar o filho de uma condenação?

"Hasta que La Muerte nos Separe" se passa em uma festa de casamento onde uma noiva acaba de descobrir que foi traída pelo noivo - agora marido - por uma das convidadas da festa. Desesperada, a mulher surta. Transa com um cozinheiro, dança uma valsa com a moça e a joga contra uma vidraça e transforma a festa de casamento numa comemoração inesquecível.

A noiva ensandecida

Relatos Selvagens é inteligente, rico, muito bem construído e escrito. Mas sofre do mesmo mal que todo filme episódico sofre - a falta de conexão entre as histórias. Eu entendo que o tema vingança está presente em todas as esquetes, mas o problema é que um filme assim é recheado de altos e baixos e deixa o resultado final capenga.

Darín e Szifron 

Não chego a dizer que é ruim, mas Relatos Selvagens nem de longe se aproxima de outros resultados geniais do cinema argentino recente como O Segredo dos seus Olhos, principalmente. De lá também saem algumas bombas também. Relatos Selvagens não é o caso, mas também não é para tanto, né?
Veja abaixo o trailer de Relatos Selvagens

  

terça-feira, 26 de dezembro de 2017

A FELICIDADE NÃO SE COMPRA (1946)

Risos soltos
A FELICIDADE NÃO SE COMPRA (It´s a Wonderful Life / 1946) - O primeira filme falado da história é O Cantor de Jazz, que encerrou a era do cinema mudo em 1927. A partir da década de 30 muitos grandes nomes começaram a surgir, entre eles Frank Capra, italiano naturalizado norte americano que faturou nada menos do que 6 estatuetas do Oscar - 2 como diretor, 3 como melhor filme e 1 como documentário - e 1 Globo de Ouro por este A Felicidade Não se Compra.

Capra e Stewart

George Bailey (James Stewart) é um cara acima de tudo otimista, acostumado a ver o lado positivo das coisas e a receber os outros sempre com um sorriso no rosto. Ele é dono de uma empresa de família que empresta dinheiro para as pessoas da pequena cidade onde vive. E nada de assinar contrato, com ele é tudo na palavra. 

Sempre fazendo o bem

Todo o resto da cidade, menos a empresa de Bailey, é comandada por Mr. Potter, que cobra juros abusivos e enforca o comércio local que vê apenas como saída se vender a Potter. Bailey se nega. Até mesmo quando enfrenta uma situação financeira delicada que pode o levar a falência e até à prisão, ele não se rende a Potter.

Momentos de desespero e insegurança

Bailey vai para casa desesperado, sem saber o que fazer. É noite de Natal. Em casa os 4 filhos pequenos e a esposa estão terminando os preparativos, a decoração. Bailey chega mal humorado e desconta nos pequenos. Larga tudo e vai pro bar. Bebe. Vai pra ponte e pensa em suicídio. Mas um homem cai antes, é um anjo da guarda. Bailey salva o anjo e sem saber a própria vida.

De chapéu o anjo que salva a vida de Bailey

Bailey diz ao anjo que sua vida está arruinada e que ele não gostaria de ter nascido. O anjo cria uma realidade na qual Bailey de fato não existe na noite de Natal. Ele percorre a cidade e ninguém o reconhece, a sua mãe não sabe quem ele é e a esposa o ignora nas ruas. Desespero total. Por fim o anjo "lhe dá a vida de volta" e ele percebe o quão é feliz e rico por ser vivo e ter a família ao seu lado. 

Em família

A mensagem de A Felicidade Não se Compra é piegas sim, mas não dá pra dizer que não emociona, ainda mais em fim de ano onde estamos todos mais abertos a sentimentos assim. Ah, vamos combinar que fim de ano é cheio de coisas piegas vai? E é legal pra caramba! Uma mensagem poderosa em 1946 - ano de lançamento do filme - e que se mantém quase intacta até hoje.

Só o que importa

Felicidade também para Stewart. O astro marcou neste filme o seu retorno às telonas depois de cinco anos lutando na Segunda Guerra Mundial. Então para ele, assim como para seu personagem George Bailey, a felicidade ao rever entes queridos foi real sim. Porque não? 
Veja abaixo o trailer de A Felicidade Não se Compra.


  

sexta-feira, 15 de dezembro de 2017

STAR WARS EPISÓDIO VIII - OS ÚLTIMOS JEDI (2017)



STAR WARS EPISÓDIO VIII - OS ÚLTIMOS JEDI (Star Wars episode VIII - The Last Jedi / 2017) - Como demoraram esses dois anos pra passar! Mas finalmente - mesmo com um Rogue One (excelente por sinal) no meio do caminho - chegou o episódio VIII. Ufa. E nessa crítica - já aviso - spoilers aqui haverão (já diria Yoda), mas aviso quando eles começarem também! A direção do episódio VIII - Os Últimos Jedi ficou por conta de Rian Johnson, que dirigiu Looper em 2012, e mais nada. J.J. Abrams foi "só" o produtor.

Rian dirigindo Carrie Fischer
SPOILERS (PONTOS POSITIVOS)

Poe Dameron é o personagem que melhor se desenvolveu na saga depois do episódio VII - O Despertar da Força. É a grande surpresa do começo do longa. Oscar Isaac, com seu olhar petulante e postura desafiadora, brilha.

A arrogância de Dameron

Logo depois dessa sequências da batalha espacial, só lá por 1 hora de filme surge a primeira grande - uma das poucas - sequência. Kylo Ren mata Snoke e ao lado de Rey, na verdade formando um time com Rey, eles derrotam toda a guarda pessoal do Líder Supremo. Aqui uma luta de sabres de respeito que fez o cinema urrar. Uma reviravolta impressionante (como os caras mataram o Líder Supremo assim do nada, logo sem mal explicar de onde veio e para onde vai?) Aí aquele sentimento "agora sim, começou Star Wars!". Puro engano...

A sala do Supremo Líder Snoke

Outra coisa boa é a ligação entre Kylo e Rey através da Força. Eles se vêem, conversam e interagem mesmo à distância. É a primeira vez que isso acontece na saga de forma tão clara. 

Mais próximos do que se imagina

O Luke de Mark Hamill nunca esteve tão bem. O olhar e a barba grisalha formam um Luke "velho da montanha" na medida. É o grande personagem do filme de longe. Na parte final ele mostra todo seu controle sobre a Força em uma sequência maravilhosa. Ele enfrenta sozinho todo o exército da Primeira Ordem em Crait. Nada lhe acontece. Depois uma batalha de sabre com seu antigo padawan Kylo Ren e ele sai ileso também. E no final revela que ele está distante dali, na ilha de Ahch-To, ganhando tempo para que os rebeldes fugam. Incrível sequência. Outro bom momento do longa.

Rey e Luke em Ahch-To

Homenagens à Carrie Fisher e sua Leia estão espalhadas por todos os cantos. Diferentemente do que foi a personagem no episódio VII quando assumiu claramente um posto de não protagonista no comando dos rebeldes, aqui só dá ela. Claramente as cenas com ela foram aumentadas, valorizadas e ela ganhou um bom tempo de cena. Em determinado momento R2 exibe o holograma do episódio IV, aquele do "help me Obi-Wan Kenobi, you´re my only hope", na íntegra. É um chute no estômago de tão lindo. E nos créditos finais "to our princess Carrie Fisher".

Carrie Fisher

Mas nem tudo são flores no episódio VIII...

SPOILERS (PONTOS NEGATIVOS)

Falta de ritmo. É inadmissível que um filme do calibre de Star Wars tenha um início tão frio e irregular. Não pode demorar mais de 1 hora para ter a primeira grande cena do filme. É muito tempo! E essa cena é justamente a batalha onde morre Snoke. Aliás, se Snoke é tão poderoso - é capaz de usar a Força como holograma - como ele não percebeu que Kylo estava mexendo no sabre que iria matá-lo momentos depois? Hummm, estranho... E outra, para quê serve esse vilão? Foi criado do nada no episódio VII, ganhou força graças ao rumores dos fãs na internet, ficou importante e morre de uma forma idiota...

Rey torturada por Snoke

Mais uma vez a Phasma é só decepção. A general dos stormtroopers é linda, toda prateada e foi usada muito no material de divulgação do episódio VII, mas mal teve falas lá e apareceu bem pouquinho. No VIII imaginou-se uma grande importância, mas que nada... Ela luta com Finn em determinado momento mas é muito claro que a cena foi reduzida. E ela acaba morrendo. O que era para ser um grande personagem acaba sendo usada no finalzinho para justificar a motivação de outro personagem também sub-aproveitado.

Finn x Phasma

Isso mesmo - Finn é ridículo no episódio VIII, está sem personalidade, sem reais intenções e longe do carisma que mostrou no VII. Inclusive todo o arco dele com uma japinha qualquer que apareceu ali rapidinho, a tal Rose, é irritante também. Chato, longo e bobo. E pior descartável, acrescentando quase nada à trama. No único momento que Finn seria importante para a trama, a Rose salvou o cara no último segundo. Pena, naquela hora morrer seria ótimo pro Finn e pro filme também.

Rose intimidando Finn

Mas acho que o pior de tudo em Star Wars episódio VIII é a forma como Rey e Kilo Ren são mal utilizados. Rey não quer ser jedi, o papel dela é resgatar Luke. Ela acaba recebendo ensinamentos de Skywalker mas quase não coloca os ensinamentos à prova - ela mal usa o sabre e quando usa, no caso da luta com os guardas pessoais de Snoke, leva um pau e só se salva com a ajuda de Kylo.

Rey treinando

Kylo por sinal permanece o mesmo - com cara de menino mimado e pior não passando medo ou respeito aos fãs da saga. Não é questão de comparar com Vader, jamais cometeria tamanha heresia, mas ele precisa de algo mais para se tornar respeitável. Lembra do Anakin no episódio II quando matou os padawans ou mesmo o povo da areia para resgatar a mãe? Pois bem, goste ou não do ato, isso ajudou e muito a fortalecer aquele cara como Darth Vader.

Kylo 

Mesmo que tenha matado o pai, Kylo precisa de mais! Muito mais! Se ele tivesse apertado o bendito botãozinho e dado um tiro na Léia, ele subiria de patamar na vilania, ganharia respeito, muitos ali temeriam ele. Mas ok, ele tem o conflito interno, beleza. Mas não acontece mais nada com ele! O Kylo Ren que vemos no VIII é o mesmo do VII. Não gosto da forma como ele é criado, sem qualquer estofo.

FIM DOS SPOILERS    

A história fica aberta para o episódio IX que estreia em dezembro de 2019. Na verdade é a primeira vez que se tem o final de um filme da saga em que não se sabe ao certo como o próximo deve começar. Claro, que muitos rumores irão surgir neste tempo todo, mas tendo em vista do que foi imaginado para o VIII e do que foi apresentado acho que é bom os fãs - inclusive eu - irmos com calma. Mas uma notícia já confirmada é que J.J. Abrams estará de volta, tanto como roteirista como diretor. Que a força esteja com ele.
Veja abaixo os trailers de Star Wars episódio VIII - Os Últimos Jedi.